quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE CAPINZAL CONVIDA ALUNOS, SÓCIOS, AMIGOS E COLABORADORES A PARTICIPAREM DA ASSEMBLÉIA DE PAIS.

EFAC - Escola Família Agrícola de Capinzal do Norte
HISTÓRIA
A Pedagogia da Alternância iniciou-se na França em 1935, por iniciativa de um grupo de agricultores apoiados pelo Padre Abbe Granereau, que ajudou no processo da Casa Familiar Rural. Nos anos 60 começou sua expansão para alguns países da Europa e África.
A história das Escolas Famílias Agrícolas no Brasil, iniciou nos anos de ditadura, em que quase todas as forças sociais mais lúcidas e comprometidas com os anseios populares, foram amordaçadas. Essa história teve início no Estado do Espírito Santo, nos municípios de Anchieta, Alfredo Chaves e Icônha, por meio de um trabalho comunitário onde estavam envolvidas várias forças sociais. O trabalho teve início no ano de 1969 , através de uma ação sócio-pastoral do Padre Humberto Pietogrande (jesuíta), também com o apoio do MEPES (Movimento Educacional Promocional do Espírito Santo) e das lideranças comunitárias da região, com a denominação de Escola Família Agrícola (EFA).
No Estado do Maranhão, teve início no ano de 1983, onde aconteceu um trabalho de articulação feita por Jorge Rosa Cruz, Francisca Francilda, Ana Maria de Jesus e Marly Vadeíza Araújo, este grupo trabalhava com o Pe. Teodoro, onde discutiam sobre uma escola que atendesse os filhos de lavradores. Mas foi através de uma reportagem sobre a Escola Família na revista Família Cristã. Onde falava sobre a EFA de Olivânia no Espírito Santo.
Daí surgiu à idéia de fundar uma EFA em Poção de Pedra. Com isto, aconteceram viagens de estudo sobre este projeto, para um melhor conhecimento. Dando início as aulas em 1983.
Nos anos seguintes as cidades Coroatá, Saõ Luis Gonzaga e Vitorino fundaram suas EFAs.
Em 1993, na Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, abrangendo os municípios de Lima Campos, Santo Antonio dos Lopes e Capinzal do Norte, O padre Firmino Spiegel em suas atividades pastorais detectou que os jovens das comunidades rurais não participavam ativamente da parte litúrgica e dos cantos por um motivo “Não sabiam ler”. Em 1994 padre Firmino contratou o primeiro funcionário da EFAC, Julio Praxedes de Sousa, com a finalidade de fazer uma pesquisa da situação escolar dos municípios dentro do raio da Paróquia.
O resultado desta pesquisa foi assustador. Os pais de famílias vendo que seus filhos necessitavam de escolas para estudar, vendiam suas propriedades para os latifúndiários e iam tentar a sorte nas pequenas e grandes cidades. Era este o maior motivos da expansão do latifúndio e do êxodo rural. Este relato está escrito em sua primeira carta aos amigos da Alemanha quando pediu ajuda para fundar a Escola Família Agrícola de Capinzal – EFAC.
A EFAC iniciou suas atividades em 17 de abril de 1995, com 35 alunos e alunas da zona rural da Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, com sede em Lima Campos e abrangendo na sua jurisdição também os municípios de Capinzal do Norte e Santo Antonio dos Lopes, ambos no Maranhão. O padre alemão Pirmin (Firmino) August Spiegel foi o principal articulador e incentivador desta escola através de sua atividade pastoral e de amigos da Alemanha.
Em 1996 a Escola não efetuou matrícula por falta de alojamentos e pela falta de um convênio firmado com a MISEREOR (entidade alemã) contribuindo com o pagamento de quatro monitores, uma cozinheira e um zelador. Em 1997 iniciamos com 40 alunos.

PASSOS IMPORTANTE

Em 24 de maio de 1997, os pais, mães, apoiadores e funcionários, em Assembléia Geral, fundaram a Associação da Escola Família Agrícola de Capinzal (AEFAC), no povoado Espírito Santo I, zona rural, Capinzal do Norte, CNPJ 01.930.754/0001-03, cuja entidade é responsável pela administração da escola.
Em 1998 trabalhamos com 45 alunos. E neste mesmo ano foi publicada a Resenha do Estatuto da AEFAC no Diário Oficial do Estado, em 11 de dezembro de 1998
Em 1999 trabalhamos com 80 alunos. E neste mesmo ano, em 07/06/99, o Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) autorizou a AEFAC sobre resolução n° 175 / 99 e em 08/06/99 publicou no Diário Oficial da União sobre o n° 44006.007259-98-84.
E em 2000 trabalhamos com 87 alunos, em 2001 com 101 alunos e neste mesmo ano demos outro passo importante – Autorização conferida à Escola Família Agrícola de Capinzal do Norte com o Ensino Fundamental de 1ª a 8ª séries – que foi aprovada em sessão plenária no dia 22/11/01 pela Resolução n° 322/01 – CEE. No ano de 2002 trabalhamos com 133 alunos e no ano seguinte com 97 alunos, em 2004 atendemos 111 discentes.
Após o ano de 2002 o número de alunos foi caindo porque o êxodo rural voltou a crescer pelo motivo de construções de casas na cidade e doação aos agricultores e para solucionar este problema planejamos a recuperação das associações existentes no raio da escola para a prática da pedagogia da alternância que chamamos de irmã gêmea citada nos quatros pilares.

fonte: http://desenvolvimentodomeio.blogspot.com.br/2010/01/historia-da-efac.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário